Uncategorized

Varizes

varizes saúde feminina

A pressão venosa, nos membros inferiores, é maior quando assumimos a postura ereta (parados em pé), pois é baixa a pressão que impulsiona o sangue. Existe uma tendência para que este se acumule nos pés e pernas. É comum apresentarmos desconforto e inchaço, quando passamos horas seguidas em pé.
O mais eficiente mecanismo de bombeamento de sangue nas pernas, em direção ao coração é a ação da musculatura sobre as veias, o que acontece sempre que andamos.
Além deste mecanismo, existem válvulas no interior das veias que impedem que o fluxo de sangue ocorra no sentido inverso.

O que são as Varizes?

As veias dos membros inferiores, quando visíveis são denominadas de varizes, microvarizes e teleangiectasias.

Varizes

– São veias salientes e visíveis, com alterações definitivas e não reversíveis de suas propriedades funcionais e anatômicas, causa deformidades estéticas e podem levar a sintomas como inchaço e sensação de peso nas pernas. As flebites, as úlceras (feridas) e a hemorragia por rotura de uma veia são complicações possíveis porém pouco freqüentes.
As veias dos membros inferiores, quando visíveis são denominadas de varizes, microvarizes e teleangiectasias.

Microvarizes

– São pequenas veias, de trajeto tortuoso ou retilíneo de cerca de 1mm de largura, que não causam saliência na pele. Estas veias podem causar deformidade estética pela coloração azulada ou esverdeada, porém não se constituem em doença ou levam a outras complicações. Algumas vezes são veias normais, visíveis pela transparência da pele.

Teleangiectasias 

– São pequenos vasos, muito finos que podem aparecer isoladamente ou serem confluentes, de tal modo semelhantes a pequenas “aranhas”. Consistem de pequenos capilares. Não produzem danos à saúde nem sintomas de importância.

Recomendações Gerais

Influência dos Exercício

Toda a atividade física é saudável, pois aumenta a velocidade do fluxo sangüíneo nos vasos.
Particularmente o caminhar, exercícios aeróbicos de baixo impacto e esportes aquáticos (hidroginástica e natação) são úteis para ativar a circulação das pernas Portadores de varizes e outras doenças vasculares devem evitar a carga de pesos elevados e exercícios isométricos.

Outras Recomendações

O uso contínuo de saltos elevados prejudica o retorno venoso e aumentam os sintomas das varizes; depilação de qualquer forma não prejudica as varizes dos membros inferiores.

Formas de Tratamento

O tratamento depende do tipo de veias acometidas, variando desde formas preventivas do surgimento de complicações até o tratamento cirúrgico.

As medidas profiláticas, constam de se exercitar a marcha, evitar longos períodos com os pés dependentes, quando sentado ou parado em pé. As meias de descanso, quando há algum sintoma, são úteis, porém não curam as varizes ou microvarizes já existentes.

O tratamento medicamentoso tem algum valor na melhora dos sintomas (peso, desconforto, queimação), porém não alteram a evolução da doença. O uso de certas drogas objetiva o tratamento das complicações das varizes. Os cremes e pomadas também trazem alivio sintomático.

I – Tratamento através da Escleroterapia

O tratamento através da escleroterapia tem a finalidade de eliminar as pequenas microvarizes e as teleangiectasias por meio de uma injeção de substância que provoca uma irritação na superfície interna da veia. Esta irritação faz com que a veia se colabe e não mais seja visível.

A vantagem desta forma de tratamento é a de ser feita por sessões em consultório médico, podendo a paciente exercer todas suas atividades normais após a referida sessão, como banhar-se, dirigir veículos e até mesmo atividades esportivas. Via de regra não há limitação para o bronzeamento solar.

As substâncias mais freqüentemente utilizadas são:

1. Glicose hipertônica (solução a 75%) – Apresenta poder esclerosante pouco menor que as outras porém tem efeitos colaterais quase nulos. As injeções de até 5 ml desta solução não apresenta consequências gerais.

2.
 Ethamolinato de sódio – Usada isoladamente ou em conjunto com a glicose, apresenta resultados mais rápidos que a glicose isolada, porém como efeitos colaterais podem ocorrer reações anafiláticas e manchas acastanhadas nas veias injetadas.

3.
 Derivados do Ferro – Apresentam os mesmos inconvenientes descritos acima.
O tratamento escleroterápico pode ser complementado através da cauterização ou da retirada das veias um pouco mais calibrosas com anestesia local. A cauterização pode ser feita com a ponta fina de um bisturi elétrico, porém não tem bons resultados, optando-se quando necessário com a retirada das pequenas veias, que traz melhores efeitos estéticos.

II – Tratamento das Varizes e Microvarizes com Laser

Atualmente fala-se muito da utilização do raio laser como forma de tratamento de varizes e micro varizes. A Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular não reconhece nem aprova este método como válido pois os resultados de quatro estudos patrocinados por esta entidade revelou que os danos estéticos são piores quando utilizado este método. Tais estudos compreenderam vários tipos de raio laser em várias ocasiões, sendo o último realizado este ano.
Atualmente aparelhos geradores da luz laser estão em ampla utilização. A melhor indicação deste tratamento é possibilitar mais conforto ao paciente e rapidez do tratamento, particularmente nos pequenos vasos de coloração avermelhada ou nas chamadas “manchas vinhosas”. Vários são os geradores do raio laser, Hélio, Neônio, Argônio, Cobre, CO2 foram testados para esta finalidade, porém recentemente os geradores de laser de KTP excitado por diodo tem demonstrado eficácia clínica, de operacionalidade e econômica, sendo estes acrescentados ao arsenal de tratamento das varizes dos membros.

III – Tratamento das Microvarizes através da retirada das veias com micro incisões sob anestesia Local

As microvarizes, quando atingem calibre que não se pode tratar com injeções, devem ser tratadas através da retirada com micro incisões escalonadas e com a introdução de pequenos ganchos, “agulhas crochê”, podem ser feitas com anestesia local , sem necessidade de internação, e quando feitas em consultório, não há necessidade de nenhum repouso, ou com anestesia peridural, com internação de um dia. A partir do segundo dia existe a possibilidade de retomar as atividades normais. Não são utilizados pontos para o fechamento, mas sim fitas adesivas que se descolam por si só.
A limitação do método e o fato de não se poder bronzear a pele por quinze a vinte dias, ou até a cicatrização nos casos de incisões mínimas.
O retorno as atividades físicas depende da quantidade de veias retiradas, porém não é fator limitante para o retorno imediato (segundo dia).
Freqüentemente a partir da segunda semana dá-se o início do tratamento escleroterápico das veias residuais, que via de regra tratam-se de pequenos trajetos que foram interrompidos.
Há necessidade do uso de meia elástica por um período que varia de 15 a 20 dias, dando-se preferência às de média compressão.

IV – Tratamento Cirúrgico

Quando as varizes dos membros inferiores apresentam calibre exuberante e trajeto sinuoso, a melhor forma de tratamento é a operação radical das varizes, que é realizada através da retirada das veias por incisões escalonadas, de pequeno tamanho (cerca de 1 incisões quantas necessárias para a ressecção do maior número possível.
Via de regra se utiliza a anestesia peridural, pelos seus baixos riscos, e o tempo de hospitalização é de um dia.
No dia seguinte ao da operação se inicia a marcha, evitando-se a postura parada em pé ou sentado com os pés para baixo.
No terceiro dia de pós-operatório, inicia-se o uso das meias elásticas, conforme a recomendação a ser fornecida.
Via de regra não são necessários pontos, apenas algumas fitas adesivas que se soltam espontaneamente ao redor de 10 dias. Após a alta hospitalar e durante toda a primeira semana evite longos períodos em pé ou sentado(a) com os pés pendentes. Procure ficar de repouso no leito, com as pernas elevadas, cerca de 15cm, o que pode ser feito através da colocação de dois tijolos como suporte dos pés da cama.
Durante este período levante e ande, mas com passos firmes e rápidos. O retorno ao consultório varia entre 4 a 7 dias, quando serão retirados os pontos (se forem dados). Caso sejam utilizadas fitas adesivas, evite retirá-las com tração forte. As fitas sairão por si até dez dias de colocadas. São comuns manchas arroxeadas (hematomas), que permanecem por 1 ou 2 semanas.

IMPORTANTE: 

As veias safenas são retiradas somente quando não for possível preservá-las por insuficiência das válvulas destas.
As varizes dos membros inferiores, na maior parte dos casos não devem afetar a vida normal dos portadores, em relação a exercícios, depilação, natação e caminhadas.

Varizes
5 (100%) 1 vote

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.